• Anúncio Global
    Respostas
    Exibições
    Última mensagem

Questão probabilidade

Questão probabilidade

Mensagempor pribl17- » Sex Ago 18, 2017 17:57

Uma urna contém 8 bolas brancas e 6 bolas pretas. Ao serem retiradas, ao acaso, 4 bolas da urna, sem reposição, a probabilidade de que pelo menos três bolas sejam pretas é igual a:
a) 25/143
b) 23/77
c)18/57
d) 31/65
e)48/91
pribl17-
Novo Usuário
Novo Usuário
 
Mensagens: 1
Registrado em: Sex Ago 18, 2017 17:03
Formação Escolar: GRADUAÇÃO
Andamento: formado

Re: Questão probabilidade

Mensagempor DanielFerreira » Dom Ago 20, 2017 02:34

pribl17- escreveu:Uma urna contém 8 bolas brancas e 6 bolas pretas. Ao serem retiradas, ao acaso, 4 bolas da urna, sem reposição, a probabilidade de que pelo menos três bolas sejam pretas é igual a:
a) 25/143
b) 23/77
c)18/57
d) 31/65
e)48/91


Olá pribl17, seja bem-vindo!!

Inicialmente, devemos determinar a quantidade de combinações com as bolas da urna. Dessa forma, teremos o espaço amostral (em quantidade). E, fazemos isso aplicando o conceito de Combinação Simples. Segue,

Decisão: combinar 14 (8 + 6) bolas da urna de quatro em quatro.

\\ \mathsf{c_{14}^{4} =} \\\\ \mathsf{\frac{14!}{(14 - 4)!4!} =} \\\\\\ \mathsf{\frac{14 \cdot 13 \cdot \cancel{12} \cdot 11 \cdot \cancel{10!}}{\cancel{10!} \cancel{4} \cdot \cancel{3} \cdot 2 \cdot 1} =} \\\\\\ \mathsf{\frac{14 \cdot 13 \cdot 11}{2} =} \\\\ \boxed{\mathsf{1001}}

Por conseguinte,dividimos a resolução em dois casos: com três bolas retiradas e com quatro bolas retiradas.

CASO I:

d_1: combinar 6 bolas pretas tomadas três a três;
d_2: combinar 8 bolas que não são pretas tomadas uma a uma.

Então,

\\ \mathsf{C_{6}^{3} \cdot C_{8}^{1} =} \\\\ \mathsf{\frac{6 \cdot 5 \cdot 4 \cdot 3!}{3 \cdot 2 \cdot 1 3!} \cdot \frac{8 \cdot 7!}{1!7!} =} \\\\ \mathsf{20 \cdot 8 =} \\\\ \boxed{\mathsf{160}}


CASO II:

d_1: combinar 6 bolas pretas tomadas quatro a quatro;

Daí,

\\ \mathsf{C_{6}^{4} =} \\\\ \mathsf{\frac{6 \cdot 5 \cdot 4!}{2 \cdot 1 4!} =} \\\\ \boxed{\mathsf{15}}


Pelo princípio aditivo,

\\ \mathsf{160 + 15 =} \\\\ \boxed{\mathsf{175}}


Por fim, aplicamos a definição de probabilidade:

\\ \mathsf{\frac{175}{1001} =} \\\\\\ \mathsf{\frac{\cancel{7} \cdot 25}{\cancel{7} \cdot 143} =} \\\\\\ \boxed{\boxed{\mathsf{\frac{25}{143}}}}
"Sabedoria é saber o que fazer;
habilidade é saber como fazer;
virtude é fazer."
(David S. Jordan)
--------------------------------------------------------------------------------
DanielFerreira
Colaborador - em formação
Colaborador - em formação
 
Mensagens: 1678
Registrado em: Qui Jul 23, 2009 21:34
Localização: Engº Pedreira - Rio de Janeiro
Formação Escolar: GRADUAÇÃO
Área/Curso: Licenciatura em Matemática - IFRJ
Andamento: cursando


Voltar para Análise Combinatória

 



  • Tópicos relacionados
    Respostas
    Exibições
    Última mensagem

Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 1 visitante

 



Assunto: Taxa de variação
Autor: felipe_ad - Ter Jun 29, 2010 19:44

Como resolvo uma questao desse tipo:

Uma usina de britagem produz pó de pedra, que ao ser depositado no solo, forma uma pilha cônica onde a altura é aproximadamente igual a 4/3 do raio da base.
(a) Determinar a razão de variação do volume em relação ao raio da base.
(b) Se o raio da base varia a uma taxa de 20 cm/s, qual a razão de variação do volume quando o raio mede 2 m?

A letra (a) consegui resolver e cheguei no resultado correto de \frac{4\pi{r}^{2}}{3}
Porem, nao consegui chegar a um resultado correto na letra (b). A resposta certa é 1,066\pi

Alguem me ajuda? Agradeço desde já.


Assunto: Taxa de variação
Autor: Elcioschin - Qua Jun 30, 2010 20:47

V = (1/3)*pi*r²*h ----> h = 4r/3

V = (1/3)*pi*r²*(4r/3) ----> V = (4*pi/9)*r³

Derivando:

dV/dr = (4*pi/9)*(3r²) -----> dV/dr = 4pi*r²/3

Para dr = 20 cm/s = 0,2 m/s e R = 2 m ----> dV/0,2 = (4*pi*2²)/3 ----> dV = (3,2/3)*pi ----> dV ~= 1,066*pi m³/s


Assunto: Taxa de variação
Autor: Guill - Ter Fev 21, 2012 21:17

Temos que o volume é dado por:

V = \frac{4\pi}{3}r^2


Temos, portanto, o volume em função do raio. Podemos diferenciar implicitamente ambos os lados da equação em função do tempo, para encontrar as derivadas em função do tempo:

\frac{dV}{dt} = \frac{8\pi.r}{3}.\frac{dr}{dt}


Sabendo que a taxa de variação do raio é 0,2 m/s e que queremos ataxa de variação do volume quando o raio for 2 m:

\frac{dV}{dt} = \frac{8\pi.2}{3}.\frac{2}{10}

\frac{dV}{dt} = \frac{16\pi}{15}